quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Efectivamente viver...







Na minha vida interessa-me a história, a minha, não as dos contos de fadas que me impingiram em criança. Aquela que todos os dias escrevo, dia a dia, a tinta permanente e pela minha mão, fruto do que escolho, do que a vida me oferece, dos improvisos e imprevistos com que me deparo, das estranhas casualidades de quem se cruza no meu caminho e se atravessa à minha frente. Importante é o desenvolvimento de cada episódio, as pequenas histórias dentro do grande enredo. Tenho dias em que as histórias são boas e os episódios felizes, tenho outros em me sinto retalhada e atirada aos crocodilos e a esbracejar arduamente pela sobrevivência, prestes a desistir, sem ajuda ou salvação.

Tenho um grande guião iluminado pelos sonhos que persigo, que não quero deixar cair, do qual não quero fugir. Na minha história até há um herói em corpo de homem de mãos grandes e pernas peludas e não um príncipe perfeito assexuado. E esse herói tem uma missão, vai fazer-me feliz. Pelo caminho os pedaços de mim vão ficando algures espalhados por aí, para guardar ou para esquecer, é como quiserem fazer. As boas recordações, as pessoas que passaram no meu coração e souberam deixar marca, que me tatuaram o corpo com beijos e carinhos, que souberam no momento certo abraçar-me e enxugar-me as lágrimas, ou abanar-me e obrigar-me a reagir, rostos de enormes sorrisos, daqueles inesquecíveis, de gargalhadas rasgadas, sonoras, que estremecem uma sala - genuínas como as minhas, que alguns adoram e muitos detestam - ou até recordações já esquecidas daqueles em quem acreditei e me desiludiram, que não souberam ver-me, ou que aproveitaram uma pequena distracção minha para me magoarem, tudo isso fica para sempre.

Acredito na simplicidade do óbvio, valorizo a sinceridade e as palavras simples, cativa-me quem me faz rir e consegue tirar de mim o melhor que tenho guardado. Oculto, só meu. Sou uma mulher de palavras, um gosto-te sincero toca-me mais que um amo-te normalizado, um olhar profundo diz-me mais que um discurso ensaiado, uma surpresa repleta de mistério e aventura faz-me brilhar mais os olhos que a imponência de um anel de brilhantes, fascinam-me os impossíveis, as distancias, fazer do longe perto. Mudar o que era inacessível e inacreditável. Não tenho nuncas, não sei o que são imponderáveis. A vida deu-me tantos abanões e testou-me divertida tantas vezes que sempre que digo nunca, o destino prova-me o contrário e ri-se de mim. 

Sou eu que escrevo a história da minha vida, não deixo que decidam por mim, que me escolham os itinerários e decidam os trajectos, a cada dia acrescento-lhe um capítulo, uma memória, pessoas, gestos, afectos que guardo no mais intimo de mim, só para mim, secretamente. Quero muito a quem me gosta, sou dedicada a quem me estima, desprezo quem me ignora, sou boa observadora, dedicada nos pormenores, atenta, grata pelo que tenho e sobretudo pelo que vivo.

Não há "E foram felizes para sempre". Não acredito nisso. Já acreditei aos 19 anos quando saí de casa. Não importa... sei agora que os sonhos mais loucos se escrevem com a tinta do coração e os momentos mais felizes também. E é a isso que se chama efectivamente viver.

6 comentários:

  1. Sinceramente, gosto muito destas palavras. Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. conta corrente: Vida... coisas e cenas da minha vida.

      Eliminar
  2. Alguém disse: "segue os teus sonhos. Eles sabem o caminho". Talvez seja este o caminho para viver e viver feliz. bjs :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. subkortex: Cada um tem os seu formato, cada um persegue os seus sonhos, ou sonhos nenhuns...cada um sabe qual o seu caminho.

      beijinho*

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Rick Forrestal: A picture about life choices.

      Eliminar

Diz aí nada ou coisa nenhuma.