terça-feira, 6 de dezembro de 2016

De são e de louco todos temos um pouco...




Enquanto houver um louco, um poeta e um amante haverá sonho, amor e fantasia. E enquanto houver sonho, amor e fantasia, haverá esperança.


William Shakespeare.


Estou a ir para mais uma semana de férias. Vamos juntos para Berlim. Eu e o matraquilho azul. Levamos a mala cheia de roupa quente, camisolas, cachecóis, gorros, meias de lã, ele leva até collants de malha tipo ceroulas que costuma usar no inverno debaixo das calças da farda (hihihi o que eu já me ri) mas acima de tudo levamos o coração cheio de sonhos. Queremos ver, sentir, viver. Queremos aproveitar, absorver, e guardar o máximo de tudo para sempre. Haja o que houver - percam-se as pessoas, perca-se o amor - os lugares, os momentos, as oportunidades ficam gravadas na memória e no coração para sempre. Não guardo pedras do caminho, essas arremesso-as à tola de quem mas coloca lá para eu apanhar, guardo com carinho tudo o que vivo e felizmente tenho tido uma vida cheia da qual me orgulho, e basta-me fechar os olhos por um segundo para conseguir ser teletransportada para qualquer um dos lugares onde já fui incrivelmente feliz. 

As Highlands na Escócia, a chuva miudinha constante, as ovelhinhas pela imensidão de pastos verdes, os bares aquecidos, as minhas gargalhadas felizes. Ou Paris e um beijo na boca, intenso, na avenida dos Champs Élysées debaixo dos flocos de neve que caiam, o quente do beijo, o frio da neve, a dormência dos lábios. Ou os fins de tarde numa varanda de um aparthotel num chalet de montanha na Suiça a contar anedotas, a repartir vida, a ver videos de quedas e a rir, enquanto as cervejas enterradas na neve lá fora aguardavam por mais uma rodada partilhada. Sempre a vida a seguir o seu curso, sempre o amor presente em cada detalhe do que vivo. Sempre a vontade de conhecer mais e viver mais.

Irei escrever mais um capitulo, irei acrescentar mais uns bons momentos ao meu percurso. Irei de certeza fazer feliz e ser feliz. Vou voltar com a vida mais cheia.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Os meus medos...



Nunca tenha medo de tentar nada de novo. Parece que um aventureiro solitário e amador construiu a arca de Noé. 
E um grande grupo de profissionais competentes o Titanic.

Dave Barry


sim tenho um medo horrível de sofrer. tenho um medo devastador de perder, consequência de ter perdido tantas vezes. tenho medo do amor, de me deixar ir na entrega e ficar refém do que não quero. tenho medo de amar. tenho medo de precisar incondicionalmente de alguém, de sentir a falta e deixar de ser absolutamente livre e independente. tenho medo de ficar à espera de alguma coisa, de esperar pelo que outro pode ou não querer dar-me. tenho muito medo de vir a ser infeliz. 
o estado de dependência emocional e a infelicidade são mesmo os piores dos meus medos.

isto está a correr bem. tão bem que os planos para fazer coisas a dois, construir coisas em conjunto já nunca são subtraídos da equação. tão bem que por esse facto ainda sinto mais medo. tão bem que me está a dar vontade de fugir antes que isto corra mesmo mal. era só estúpido não tentar. era ser mesmo burra em não arriscar tudo a ver se é de facto tudo tão bom como me parece ser... ou não. 

vamos então prosseguir, venha de lá mais uma voltinha à rotunda. 

sem medos!

domingo, 4 de dezembro de 2016

Cruzes, credo!




Cá em casa os objectos deslocam-se. Está provado e comprovado.

Depois de uma noite daquelas, muita chuva lá fora e muito calor cá dentro. Demasiado agitada, longa, absolutamente fantástica, a minha cama tinha-se deslocado meio metro da parede. 

Meio metro????? 
Como é que isso é possível?
Pois.

Cenas do além.

Filo qualquer coisa...


É isso. E couves!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Zás...






- Bem, tu não perdes tempo.  Rei morto, rei posto. Ainda ontem te via tão apaixonada pelo X e agora leio nos teus olhos que estás mesmo apostada em ser feliz com o Z. Tens vontade de guerreira. Cortas a direito.

- É, eu gosto de muito de espadas e cabeças decapitadas.