segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Quem tem cu tem medo...





Do one thing everyday that scares you
Eleanor Roosevelt


Eu tenho medos. Tenho muitos até. Tenho medo da doença - talvez o meu maior medo, tenho medo de perder, até porque sei bem o que é perder e sei bem o quanto dói no corpo a falta que alguém nos faz, e tenho medo do sofrimento em si... de todas as formas de sofrimento.

Dos medos em geral, combato-os de forma a que não me sufoquem, luto contra eles com todas as minhas forças e não deixo nunca que me atrapalhem a vida. Mas todos os dias somos postos à prova, todos nós, e de muitas formas diferentes. Lembro-me que quando tirei o curso de enfermagem e ainda era muito novinha sempre que tinha que acompanhar um doente para outro hospital ou apenas até ao bloco operatório começava com as palmas das mãos a suar, os joelhos a fraquejar e recordo-me de algumas vezes até me sentir agoniada... ainda a ambulância não tinha saído ou ia eu no elevador e já estava para ali com o estômago às voltas agoniada que nem uma pescada. O meu medo era falhar. E eu não podia falhar.

Ainda ontem tive um teste de medo. 

Tinha que atravessar de uma margem à outra de um rio, um aqueduto a muitos metros de altura sobre um piso de pedras meio arredondado e com 30 cm de largo, a coisa correu bem até meio, lá fui indo devagar, tentando por os pés nos sítios certos, mas quando cheguei quase a meio comecei a tremer e a ter a sensação que ia cair, e se caísse a coisa ia correr mesmo muito mal. Tive tanto medo, mas ali não havia alternativa. Voltar para trás não podia porque havia gente atrás de mim e não passávamos dois ao mesmo tempo, (e a altura mantinha-se), tinha que seguir em frente. As alternativas eram cair ou prosseguir. Parei... respirei, tentei não entrar em pânico, controlei o medo, proibi-me de olhar para baixo para apenas olhar em frente, e segui até ao meu destino, só faltavam uns 5 metros... e consegui. No final tive orgulho em mim, em ter conseguido lutar contra o meu medo.

É de pequenas vitórias que se fazem as grandes vitórias e está provado que não são os mais corajosos que são os melhores guerreiros, são aqueles que apesar de terem a percepção do medo e o respeitarem, o controlam também melhor.

10 comentários:

  1. Respostas
    1. Rick Forrestal: Great woman with nice words.

      Eliminar
  2. Como te disse antes, eu não tenho grandes medos mas tenho que é enorme: tenho medo da doença, do sofrimento, da incapacidade, da vulnerabilidade... E quanto ao resto, eu admito que perdi a capacidade de arriscar, pelo que jogo sempre pelo seguro, porque basta o que poderei eventualmente sofrer e não poderei certamente controlar.

    PS: parabéns pelo teu feito! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gata: Se queremos atingir um patamar de alguma felicidade temos que arriscar...são os picos de adrenalina que te dão a sensação de felicidade, a linha continua de bem estar é boa, é gratificante, mas não corresponde ao que eu sinto como felicidade. São momentos intensos, especiais, únicos que te deixam o sabor a gente feliz no corpo.

      Ps_ Nem sabes o que suei e o que lutei contra mim mesma...:)))

      Beijinhoooo*

      Eliminar
  3. Dos posts que mais gostei de ler nos últimos tempos.
    Eu também tenho medos. Muitos até. E o facto de o confessares parece que me dá mais credibilidade para assumir os meus. É que noto muitas vezes pudor e incómodo em mencionar fragilidades, dúvidas, receios, medos.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel Pires: Não me considero muito medrosa, mas tenho os meus medos. Tento sobretudo combate-los e não deixar que me impeçam de atingir as minhas metas pessoais de felicidade.

      Lutar, lutar... não desistir de lutar nunca.

      Beijinho*
      Obrigada pelas palavras simpáticas que deixas sempre por aqui. Fazes parte do universo de pessoas anónimas que ainda me conseguem surpreender pela positiva... Muito bom!

      Eliminar
  4. Só de ler...que cagaço!!!! (desculpa o à vontade:)!!! Ahhhhh mulher;)))))


    Quanto aos dois primeiros paragrafos, identifico-me com os teus medos:)
    Bom dia boneca ...cá estou de regresso ao labor:)

    jinhooooossssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Suricate: Também tive cagaço...mas ali não havia muito a fazer. Ou seguir caminho ou cair. Deixei o cair para segunda opção se não conseguisse cumprir a primeira escolha. E não é que resultou?

      Sejas bem regressada menina Suri, sabe bem ter-te por aqui porque há boas companhias de que não prescindo.

      Eliminar
  5. É uma metáfora, certo?!
    Tu não tens medo de quase nada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Son da Mamã: Tenho medo sim... tenho tantos. Guardo alguns só para mim e só quem me conhece sabe como os consigo esconder tão bem.

      Eliminar

Diz aí nada ou coisa nenhuma.