domingo, 23 de agosto de 2015

Turno da noite...




Dói-me o corpo. Doem-me os pulsos, e os cotovelos. E os ombros. Dói-me tudo. Estou cansada, esgotada, e não quero reclamar. Não adianta reclamar. Acabei de sair da Sala de Reanimação. Deixei o Diogo para trás com as marcas do cinto desenhadas no pescoço, estendido numa maca, gelado, arroxeado, coberto por um lençol. Era a terceira tentativa dele. Foi desta. Vai ser preciso lá voltar, mas não agora. Resmungo baixinho que cheiro mal mas ninguém me ouve ou a verdade mesmo é que ninguém quer saber. Acabámos uma Reanimação mal sucedida, mais de hora e meia de manobras sem nunca desistir, revezámo-nos em cima do doente uma e outra vez, ouvimos a palavra "trocar" uma meia dúzia de vezes, utilizámos o desfibrilhador outras tantas. O Pedrinho tem nas costas desenhado as marcas de suor, eu sinto o cabelo colado junto ao pescoço e o suor a escorrer pelo peito, estou peganhenta e sinto o meu próprio cheiro o que me desagrada profundamente. Sinto-me agoniada, suja, cansada, dorida. Tão exausta. Queria tanto um abraço. Fazes-me falta. Aquece-me. A minha colega Picolé, a eterna palhaça da equipa brinca com a situação, corta o gelo que nos acompanha, o frio do ar respirável e do cadáver que ficou lá atrás mas permanece agarrado à nossa pele. Tenta animar-nos com uma piadola fácil, demasiado seca mas que nos faz sorrir - Eh malta! Não sei para que gastam dinheiro em ginásios, aqui o exercício é coisa que não nos falta. E é à borla, aproveitem. Suámos as estopinhas. E remata : Temos um cheirinho vai lá vai! A Lsd, alcunha de alucinada mas de quem o verdadeiro nome é Marta enrola-se a um canto. Faz sempre isto e calada rói as unhas. Larga as unhas - ouve-se alguém dizer. Somos fortes, estamos habituados a isto, de facto estamos habituados a quase tudo mas perder uma vida assim tão nova é coisa que mesmo a malta habituada a tudo nunca se habitua. São coisas.

...

Vejo as horas, já são três da manhã e não jantei ainda. Sinto fome e sede. Tanta sede. Lavo as mãos lentamente, molho a cara. Estico a mão para uma das muitas garrafas de água em cima da bancada, escolho a minha, pego na caixa da ceia e sento-me. No colo preparo um pão com um queijo daqueles que dizem que a vaca se ri, só não sei de quê parvalhona da vaca e a esta hora também não me apetece descobrir. É sempre a mesma ceia para aí há dez anos. Reclamo da merda da ceia hospitalar. Faz parte. Volto a pensar que me dói tudo e só ao sentar-me apercebo-me do cansaço. Passados uns minutos, muito poucos, de novo o besouro da Emergência. Dou um salto, deito o resto do pão no lixo, enfio os pés coloridos em meias de riscas nas socas que repousam ao meu lado no chão e corro ainda a tentar calçar-me para a sala de Reanimação. A tropeçar nos pés e a perder as socas. Entro, e em conjunto com o resto da equipa oiço a informação do médico do Codu. Doente do sexo masculino, 47 anos, encontrado em casa em paragem cardiorespiratória por possível overdose medicamentosa...

E foda-se começa tudo de novo. 

36 comentários:

  1. É uma vida lixada e quando se tem que lidar com situações de vida e morte ainda mais puxado é :/

    Estou bem familiarizado com o ritmo de não parar, noites em branco porque há trabalho para fazer (embora num ritmo mais calmo) e chateia-me profundamente ter que aturar gentalha empertigada que se acha muitíssimo importante porque trabalha no sítio X ou Y e por isso acha que o mundo lhes deve reverência. Fazia-lhes tão bem um banho de humildade e verem que há mais vida para além dos objectos...

    Beijos e que a folga venha rápido ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. PM: Ainda há pouco vim de férias e a sucessão de turnos sem folgas está a deixar-me exausta. Na vida os objectos são apenas isso mesmo..objectos. Ficam por cá. Não os guardamos nas memórias não viajam connosco nas nossas recordações.

      Beijinhooooo*

      Eliminar
  2. Minha Querida, não há palavra que te dê que te possa dar colo e alento. Por muito que estas situações façam parte de alguns dos teus dias de trabalho, uma alma sensível e gentil como a tua nunca fica indiferente.
    Fica um abraço apertado, e muita coragem minha querida.
    O mundo precisa de mais pessoas assim como tu, de entrega total à causa humana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sandra Louçano: Cansaço...algum desânimo às vezes. E falta de um abraço.
      Amanhã é outro dia. Vai ser !

      Eliminar
  3. É por isso que eu digo que a tua profissão é uma das mais notáveis profissões de todas as que existem no mundo inteiro.

    Hoje deixo-te um abraço... de 30 segundos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afrodite: Obrigada pelo miminho. És sempre uma Afrodite e braços abertos, prontinha para abraçar.

      Beijinhooooo miúda :))

      Eliminar
  4. Respostas
    1. LÉnfant Terrible: O mundo não pára... é uma gigantesca tenda de circo. O espectáculo tem de continuar. Hoje há palhaços, domadores de leões, comedores de fogo e raparigas acrobatas que fazem piruetas na corda bamba.

      Beijinho*

      Eliminar
  5. Deixo-te apenas um beijo. às vezes as palavras são insignificantes .
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imprópria: Obrigada por esse teu beijo. Chegou cá e cumpriu generosamente a sua função. E não foram precisas mais palavras.

      Bj****

      Eliminar
  6. Bem...Que aperto no coração... Que turno...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cat: Há dias assim. Também há turnos mais descansados, com tempo para conversarmos e gargalharmos juntos.

      Eliminar
  7. Fica somente um abraço ... Gigante ... Do tamanho do mundo ... Para que por momentos esqueças tudo :-) :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miss M: Há quanto tempo... gosto de te ter aqui. E que falta me faz este abraço teu.
      Saudades tuas... e sentidas.

      Beijinho enorme

      Eliminar
  8. AC
    esqueci-me de assinar o texto da mensagem anterior
    mesmo em Antibes ou em Nice não desligo
    e tu voltaste aos textos que marcam bem a tua veia de cronista
    és muito boa a escrever sobre a vida real e darias uma boa parceira a escrever histórias, que ninguém escreve nos jornais, os tais que para sobreviverem precisam de muita mentira e invenção :)
    um beijo do
    joaquim

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Joaquim: Não sou fantástica em nada. Sou apenas eu...
      Tenho algumas boas histórias para contar.

      Beijinho e continuação de boas férias.

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Casaert: Olha que eu sou grande...

      :))))

      Eliminar
  10. Gratificante saber que existem pessoas como tu , que vivem na pele aquilo que foi opcção de vida..Nao e pra todos..pessoas como tu fazem falta as outras pessoas,,!!

    beijinhos e boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Terapia das palavras: Quem faz urgência e lida com o sofrimento imediato é regra geral muito humano. Ninguém é capaz de ficar indiferente à dor de outra pessoa...

      Beijinho. :))

      Eliminar
  11. Puxa mulher ! Já te disse que adoro a forma como relatas o teu trabalho? Já te disse que tenho aqui um cantinho onde te considero heroína ?? Não pares, ganha força, ela está ai. Precisamos de pessoas como tu com alma, garra e coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria Mac Taus: Tonta....sou normalíssima. Igual a tantos profissionais como eu.

      Eliminar
  12. Nada do que te possa dizer (eu ou qq outra pessoa) fará diferença no que aconteceu, mas ler-te, faz-me imaginar-te como uma mulher de coração cheio. Fico feliz por saber que há profissionais como tu.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. anónimo: Se ser uma mulher de coração cheio é alguém que respeita muito a doença e o sofrimento dos outros e que gosta muito do que faz e é feliz na maior parte dos seus dias... então eu sou uma mulher de coração cheio. E com muito,mas muito carinho e atenção para dar.

      Abraço:)

      Eliminar
  13. E eu que não fazia intenções de te cobrir de mimos tão cedo, que não te posso habituar mal...depois de um texto destes...impossível. Impossível passar ler-te e ficar indiferente. Impossível não te dizer que te tenho uma admiração profunda, por ti em particular e por todos aqueles que como tu, nas nossas horas mais difíceis, fazem a diferença. Impossível não querer do fundo do meu coração abrir os meus braços e poder fechá-los sobre ti, apertar-te contra o meu peito e sussurar-te ao ouvido que entregaste o melhor de ti, ninguém te pode pedir mais! Beijar-te a testa por respeito e as "boxexas" com carinho ai se eu pudesse...e tenho a certeza que me responderias com um sorriso nos olhos já aconchegada e confortada como precisas de ser, como mereces ser!

    Jinhooooosssss...e um abraço...apertado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Suricate: Obrigada pela demonstração de carinho, gostarem de nós nunca é demais. Digo-te um segredo... também tenho uma admiração enorme por algumas classes profissionais que acho mal reconhecidas, mal pagas, e que envolvem muito risco...Bombeiros é por exemplo uma delas. Mas há mais...

      Beijinho enorme. Retribuo o mimo com um enorme sorriso nos meus olhos a dizerem-te obrigada.

      Eliminar
  14. Eu valorizo especialmente as pessoas que, como julgo ser o teu caso, neste tipo de profissões têm um desempenho irrepreensível ao nível técnico e humano.
    Nos últimos anos precisei várias vezes da vossa ajuda.
    Já estive no fio da navalha. E isso muda muita coisa para sempre na vida de uma pessoa.
    Um grande beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel Pires: Não sou irrepreensível... acredita que não sou. Tenho falhas. Já errei. Dou o meu melhor mas nem sempre o meu melhor chega. E na maior parte das vezes tento colmatar o não ter nada para oferecer a quem espera tudo com um sorriso ou uma palavra de ânimo... é pouco, mas é o possível.

      Beijinho grande

      Eliminar
  15. um turno da noite que se repete tantas vezes num só dia em vários hospitais. é uma roda viva de turnos da noite, n é?
    nem imagino a força que se precisa de ter principalmente psicológica para se trabalhar assim. o gosto pelo que fazes ajuda mas tem que ser preciso ter um estomago muito forte para levar esses "murros" e continuar...

    hoje estou de folga e passei para te dar um abraço forte e um beijo para este dia e os que venham aí assim tão duros! beijos AC e força!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo: Não faço noites em mais lado nenhum a não ser no hospital, por isso só tenho um turno da noite (ou dois) de cinco em cinco dias. Depende da escala...

      Estou habituada. Levo muitos anos disto. Quando não faço noites até estranho. o corpo estranha tanto tempo de sono e noites bem dormidas... e insónias garanto-te que é coisa que não sei o que é.

      Eliminar
  16. ehaph esse é um mundo que realmente só quem lá está (como tu) e que consegue perceber...admiro-te (já to disse várias vezes)...só uma pessoa com uma garra descomunal consegue...
    Abracinho minha enfermeira preferida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. SuperSónica: Força...capacidade de me alhear do que me rodeia quando saio a porta do hospital. A doença e os doentes ficam lá, comigo só trago coisas boas.
      Talvez por saber como a vida nos pode fugir pelos dedos eu goste tanto de viver e dê tanto valor a todas as pequenas coisas. Poder tomar um duche, poder andar ou nadar numa praia,tudo isto são coisas que damos como adquiridas mas que na realidade para quem está doente são pequenos luxos.

      Beijinhoooooo super mamã.

      Eliminar
  17. A vida as vezes é mesmo uma grande filha da P... e por muito que devas estar habituada a situações destas acredito que custe sempre.A vida é assim mas amanha é outro dia.Daqui vai um abraço bem apertado para ti

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Márcia V: Gosto de te ter aqui...Todos os dias são novos dias com coisas boas para poderem acontecer. Eu penso assim...

      Beijinho. Obrigada pelo abracinho bom.

      Eliminar
  18. Olá AC. Admiro imenso pessoas/profissionais como tu!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo: Todos os com quem trabalho são como eu... ou melhor, eu é que tento ser como eles. Todos os dias aprendo, todos os dias o sofrimento dos outros nos dá grandes lições de vida. Até porque pelo facto de eu estar do lado de cá ( a cuidar) não quer dizer que um dia não atravesse esta linha e possa estar do lado de lá ( a precisar de cuidados).A vida prega-nos tantas partidas.

      Eliminar

Diz aí nada ou coisa nenhuma.